Apresentação

Como ajudar alguém que sofre com ideias de suicídio?

Segundo a Pordata [1], em 2015 morreram 1127 pessoas por suicídio em Portugal. Embora comparativamente à nossa população de aproximadamente 10 milhões de habitantes, esta informação pareça pouco significativa, podemos colocá-la melhor em perspectiva dizendo que tal número equivale a três pessoas que morrem por dia, por suicídio. Para os leitores mais cépticos, alerto ainda para o facto de que este é um problema que transcende as mortes por suicídio. Por cada suicídio completado, estima-se que existam cerca de 25 pessoas que cometem tentativas e ainda que cerca de 135 pessoas sejam afectadas por essas mortes [2], o que nos mostra que este é um problema de saúde pública com graves implicações para todos nós. Embora estes sejam números sobre os quais devemos reflectir com alguma seriedade, a DGS mostra-nos, contudo, que as mortes por suicídio são na sua maioria potencialmente evitáveis, garantindo que quem sofre, recebe os cuidados de saúde de que necessita em tempo adequado [3]. No entanto, por uma vasta gama de razões é difícil para quem sofre com ideias de suicídio procurar ajuda, pelo que recai a todos nós o dever de estar alerta para o sofrimento alheio e de apoiar todos aqueles que dela necessitarem. Ainda assim, por muito boas intenções que possamos ter, devemos ter especial atenção a como abordamos o assunto, pois sem preparação corremos o risco de aumentar o sofrimento da pessoa que pensa em suicídio. Deixarei em seguida uma síntese de algumas ideias a ter em mente para quando queremos ajudar alguém nesta situação [4]:

Como ajudar alguém nesta situação?

  1. Estar atento a sinais de alerta e encarar qualquer manifestação de comportamento suicida como algo sério, que não deve ser desvalorizado. Nomeadamente, quaisquer mudanças drásticas das rotinas diárias da pessoa (ex. mudanças de hábitos de sono, isolamento constante ou cada vez mais frequente, etc). Para além dos sinais indirectos, a pessoa pode evidenciar sinais mais explícitos, como por exemplo despedir-se dos seus entes queridos como se nunca mais se fossem ver, ou até dizer que deseja morrer (ou nunca ter nascido). É importante perceber que qualquer comportamento suicidário é um pedido de ajuda para escapar a uma dor intolerável, pelo que não deve ser ignorado ou menosprezado, mas antes encarado como uma manifestação de sofrimento perante o qual poderemos ter oportunidade para ajudar.
  2. Comunicar de forma respeitadora e escutar adequadamente a pessoa que sofre. Se estamos perante sinais indirectos, poderemos sinalizar à pessoa a nossa preocupação com o que se passa consigo. Tal pode conseguido recorrendo à empatia, dizendo por exemplo “Olha, tenho reparado que tens estado mais em baixo e ultimamente te tens isolado, está tudo bem contigo?”. Caso não existam sinais de perigo de vida e a pessoa não quiser conversar, devemos respeitar a sua decisão e mostrar-nos disponíveis para conversar com ela quando desejar. Se a pessoa mostrar intenção de conversar connosco acerca da sua situação, é importante que lhe comuniquemos numa postura de respeito e aceitação da sua dor, mostrando-lhe que não deve sentir medo da nossa reacção ou vergonha do seu sofrimento. Assim, devemos focar-nos na escuta da pessoa que sofre e evitar julgá-la, interrompe-la, resolver os seus problemas ou ser paternalistas face ao seu sofrimento.
  3. Abordar a questão do suicídio. O senso comum diz-nos para evitar falar de suicídio devido ao perigo de colocar ideias na mente de quem sofre. Contudo, hoje em dia sabemos que quando falamos adequadamente sobre o assunto, esse risco não existe. Devemos, no entanto, procurar entender o grau de persistência e intensidade que estes pensamentos têm na vida da pessoa, sem que o façamos como se de um interrogatório se tratasse. Por isso devemos procurar fazer principalmente perguntas abertas (ex. “O que é que pensaste quando isso te aconteceu?”) que ajudem a estabelecer uma relação e a explorar melhor as circunstâncias à volta do sofrimento da pessoa, mas também algumas perguntas mais fechadas (ex. “Actualmente pensas, ou já pensaste, em suicídio”) para que possamos perceber se a sua vida se encontra em risco.
  4. Apoiar a pessoa e encorajá-la a procurar ajuda. Como já referi, a pessoa pode ter medo, receio ou vergonha de procurar ajuda por receio de ser rejeitado, humilhado ou ignorado. Por esta razão, é importante que tentemos ajudar a pessoa a procurar uma ajuda especializada a que possa recorrer. Devemos averiguar se a pessoa sabe onde procurar ajuda e, se necessário, oferecer-nos a acompanhá-la aos locais adequados. Embora possamos ter toda a boa vontade do mundo, é importante frisar que o papel de quem ajuda nunca poderá substituir o de um profissional de saúde especializado. Ainda assim, poderemos ter um papel de maior proximidade e atenção para com a pessoa que sofre, visitando-a regularmente ou telefonando para perceber como se encontra e se necessário, ajudá-la.

Considerações finais

            Lamentavelmente, por questões de espaço não pude abordar tudo o que gostaria de transmitir ao leitor. No entanto, quero mostrar-lhe que temos não só o poder de zelar por quem sofre, mas também a responsabilidade de o fazer – pois como vimos no início, o sofrimento que leva ao suicídio não surge – nem desaparece – isoladamente. A melhor forma de o evitar passa por incorporar este espírito de zelo, respeito, aceitação, empatia e preocupação para com a vida humana. Precisamos também de melhor acesso aos cuidados de saúde mental, maior presença de equipas multidisciplinares que possam atender a tempo útil às pessoas que se encontram nesta situação e mais oportunidades para desmistificar este tema, que tanto se tem tornado um tabu na população geral. Na região do Alentejo, decorre neste momento uma campanha de sensibilização para a problemática do suicídio, se desejar saber mais sobre as acções que irão ocorrer durante todo o mês poderá consultar as páginas de Facebook das campanhas de Évora, Beja e Portalegre.

Bibliografia recomendada:

Como ajudar alguém que sofre de ideações suicidas: https://goo.gl/wQeERn – Texto fundamental escrito por Tiago Zortea, Psicólogo do Brasil, que expande algumas das ideias que aqui apresentei. Vale muito a pena ler.

Suicide: What to do when someone is suicidal? https://goo.gl/6DAc5E – Artigo da MayoClinic, muito informativo e com diversos sinais de alerta associados ao comportamento suicidário e o que fazer e não fazer.

 

Referências:

1 – Pordata (2018). Óbitos de residentes em Portugal por algumas causas de morte: quantas pessoas morrem por doença, como cancro, diabetes ou do aparelho circulatório, por acidente ou suicídio? Retirado de: https://www.pordata.pt/Portugal/Óbitos+de+residentes+em+Portugal+por+algumas+causas+de+morte-156-235702

2 –  International Association for Suicide Prevention (2018). World Suicide Prevention Day 2018 Facts and Figures Sheet. Retirado de: https://www.iasp.info/wspd/pdf/2018/2018_wspd_facts_and_figures.pdf

3 – Direcção-Geral da Saúde (2017). Programa Nacional para a Saúde Mental 2017. Retirado de: https://www.dgs.pt/portal-da-estatistica-da-saude/diretorio-de-informacao/diretorio-de-informacao/por-serie-883589-pdf.aspx?v=11736b14-73e6-4b34-a8e8-d22502108547.

4 – Zortea, T. (2018, Setembro 10). Como ajudar alguém que sofre de ideações suicidas? [Blog]. Retirado de: https://www.comportese.com/2016/12/como-ajudar-alguem-que-sofre-de-ideacoes-suicidas

Texto de Rodrigo Pires

22014678_872304129590238_88610556_n

 

 

 

rodrigopiresuevora@hotmail.com

Apresentação

Parceiros – PauloJLopes Fotografia

10269336_543473125775165_1297645335093782789_o

É com um olhar treinado, o timing perfeito nas mãos e o material certo que o Paulo Lopes nos presenteia com fotografias incríveis daquele que pode ser o dia mais feliz das vossas vidas, o vosso recém-nascido, a vossa despedida de solteira, a vossa sessão de namoro ou trash the dress, e por aí fora porque no que toca à criatividade é exímio.

De trato simples, profissional e acessível, é fácil chegar à fala com ele e encontrar um estilo que vos identifique, sendo certo que nenhuma reunião passa sem umas boas gargalhadas. Se forem clientes mais conservadores, não se preocupem! Da mesma forma que o Paulo e a sua equipa se adaptam a uma noiva que quer casar de ténis e não gosta de fotografias típicas, também se adaptam a um estilo mais conservador recorrendo aos vários anos de experiência em fotografia e relações humanas.

Para os mais tímidos também há solução, conseguindo deixar à vontade os mais envergonhados e arrancando-lhe sorrisos genuínos pautados por timidez, o que faz das imagens captadas representações quase perfeitas de naturalidade.

Há dois anos viu realizado o seu sonho de inaugurar o seu estúdio, onde todo aquele que o visitar se sente em casa e tem atendimento personalizado.

Fazendo-se rodear de uma equipa de excelência, garante que as fotografias e/ou vídeos captados vos falam ao coração, guardam as memórias essenciais e vos levam diretamente de volta ao momento que viveram. As fotografias são botões de memória diretos que nos reavivam as sensações, os cheiros e as emoções e nos transportam para os momentos mais felizes. Difícil vai ser escolher!

Se quiserem conhecer mais o trabalho do Paulo Lopes podem segui-lo no Facebook ou visitar o seu Site Oficial:

https://www.facebook.com/paulojlopesfotografiaavberna/

http://paulojlopes.net/site/#/home

 

28828869_1490023704453431_3955374657816628597_o

Apresentação

Os Parceiros

Hoje, no LQ, temos o gosto de vos apresentar um dos nossos parceiros: Real Casa.

A Real Casa é mais do que mais uma agência imobiliária! É uma empresa, sediada na Marinha Grande, constituída por uma equipa com largos anos de experiência! Uma equipa dinâmica, dedicada e empenhada em encontrar a sua casa de sonho ou conseguir o valor adequado para a venda do seu imóvel.

Prima pelo rigor de um atendimento personalizado e adaptado às suas reais necessidades, acompanhando-o ao longo de todo o processo, sempre com o objectivo de o(a) servir o melhor possível.

Se pensa vender, comprar ou arrendar um imóvel contacte os profissionais da Real Casa e garanta o sucesso do negócio.

19679428_1921189654763593_1031001584674727642_o

http://www.realcasaimo.pt
https://www.facebook.com/Real-Casa-1920888518127040/

Apresentação

Amor

Para a equipa do Life Quadrants, a época natalícia é, sobretudo, a época em que se celebra a Família e a União, a época em que se celebra o Amor.

Objeto popular da literatura mundial, considerado como um dos aspetos fundamentais da experiência humana, o amor tem vindo a perder-se nos cômpitos de uma sociedade que, cada vez mais, banaliza o conceito e as expressões amorosas, desvalorizando o verdadeiro poder dos afetos. E afinal, falar em amor é falar em afetos.

Este ano, desmaterialize-se do supérfluo e aqueça-se com o calor humano de quem lhe é mais querido, alimente-se de um sorriso e da doçura de uma conversa atenta, ilumine-se com as cores de um olhar, decore-se com emoções, ofereça sentimento, ofereça empatia.
Este ano ame-se e permita-se a amar o Outro, permita-se a amar com o Outro. Este Natal,
celebre a capacidade transformadora do amor. Este ano transforme e deixe-se transformar.

Este Natal, deixe-se invadir pela magia dos afetos.
Feliz Natal.

 

Texto de Filipa Da Piedade Rosado

22140683_10212798585433181_1025985687_o

 

 

 

filipa.p.rosado@gmail.com

Apresentação

Festas Felizes

DSC_0228

A Equipa Life Quadrants deseja a todos(as) Festas Felizes.

Para aqueles que o celebram, seja um Santo e Feliz Natal na companhia dos que amam.

Que entrem com os dois pés bem assentes em 2018 e que seja um ano de saúde e muito sucesso, criatividade e imaginação.

 

Obrigado a quem nos acolheu e a todos aqueles que nos seguem e nos partilham. Esperamos em 2018 trazer mais conteúdos, mais histórias, mais novidades que continuem a corresponder às vossas expectativas.

 

 

Imagem de Nuance Fotografia By Cláudia Silva

Apresentação

Os Parceiros

Porque viajar, percorrer o mundo ou simplesmente o país é também um dos quadrantes importantes da vida, aqui no Life Quadrants contamos com parceiros que procuram dar respostas de qualidade a estas necessidades.

Neste sentido, apresentamo-vos hoje a Astro Luxury Travel

original-logos-2017-May-2874-57e9a0263bf50 (3)

A Astro Luxury Travel é uma empresa recente, jovem e dinâmica que pretende oferecer, a quem visita o nosso país, a melhor experiência, sempre a pensar no seu conforto e segurança.

Dotada de veículos modernos, confortáveis e seguros, conduzidos por mãos experientes, para que só tenha que se preocupar em disfrutar de uma viagem pelos encantos do nosso país.

Na Astro Luxury Travel tem disponíveis Transfers e serviços às ordens, bem como, Tours e Circuitos com uma variada gama de opções.

Para saberem mais sobre este nosso parceiro e marcarem as vossas viagens, visitem o website e a página de Facebook:

http://astro-luxury-travel4.webnode.pt/

https://www.facebook.com/astroluxurytravel/

 

LET’S GO!

Apresentação

Bem-vindo/a ao Life Quadrants.

Estará talvez a pensar para si “Olha, lá vem mais um blog encher a internet”.

É com todo o agrado que lhe dizemos que não somos só mais um blog, somos um blog que procura dar-lhe uma visão holística do ser humano e da vida.

É verdade, somos um blog multi-tema, com todos os riscos que isso acarreta, mas temos um conceito claro. Não existe, neste mundo, ninguém que tenha apenas um interesse. Uma pessoa move-se em diferentes meios e a sua vida orienta-se por inúmeros quadrantes. Aqui procuramos abranger alguns deles e dar-lhe as respostas, informações, as dicas e até o entretenimento que procura, num único espaço.

Quão fantástico é poder encontrar tudo isto num único espaço à distância de um clique?

Este é um blog pensado por uma pessoa mas construído por uma equipa. Uma equipa jovem, dinâmica, criativa e atual, que tem como único objetivo fazer-lhe chegar conteúdos úteis, atuais e pertinentes.

Desta forma acreditamos poder estar a contribuir para a mudança na sua vida colocando-o(a) no caminho da melhor versão de si próprio(a).

Esperamos por si e pelo seu feedback.

A equipa Life Quadrants